To Jogando: The Legend of Zelda the Wind Waker


 Desde quando o game saiu, isso lá pro ano de 2002 eu sempre quis jogar LoZ Wind Waker, durante muitos anos isso seria uma tarefa impossível, o jogo saiu pouco tempo depois do lançamento do GameCube e seria impossível ter o "forninho" da Nintendo em casa (se fosse pra escolher eu escolheria o Playstation 2 que tinha mais títulos, era mais barato e ainda rodava DVD, o que era raro na época).

 A única vez que cheguei a jogar um GameCube foi em uma locadora, joguei o Pokemon Colosseum e continuo sem conseguir joga-lo ainda, mas com um Nintendo Wii, um Memory Card e um controle do GameCube é possível fazer a mágica acontecer (sem falar que precisa ter o jogo é claro).


Tetra e os piratas

 Apesar do jogo a principio ter feito até mesmo os maiores fãs de The Legend of Zelda torcerem o nariz com os gráficos ao estilo cartoon e personagens fofinhos logo o jogo demonstrou saber usar bem todos os elementos da serie e melhorar o que já havia sido feito, eu conheci o jogo por uma matéria feita pela Nintendo World (na época eu comprava estas revistas) e é claro que por conta deles só foi elogios, mas na verdade eles estavam certos, o jogo é incrivelmente incrível!

 O jogo se passa centenas de anos após o jogo Ocarina of Time, os feitos do herói ainda são lembrados e ele se tornou uma lenda, numa ilha chamada Inicia os garotos quando atingem doze anos de idade são vestidos como o herói do tempo durante o aniversário, para o homenagear e crescerem com a mesma coragem que o herói do tempo teve para combater Ganondorf, começamos o jogo durante o dia do aniversário de Link, ele veste a roupa verde e gorro como a do herói mas antes que pudesse comemorar qualquer tipo de coisa ele descobre que sua irmã foi raptada, então ele se une a um grupo de piratas que a pouco havia salvado a líder deles, Tetra, e juntos partem para o resgate.

 Link descobre que várias outras garotas de orelhas pontudas haviam sido raptadas em diversos lugares para algum fim maligno e quem estava por traz de tudo não era outro senão o terrível Ganondorf.

Cara de sono

 O jogo se passa em um gigantesco mundo dividido em várias ilhas, no jogo contamos com a ajuda do Mascara Vermelha (Kings of Red Lions no original), um barco falante que vai guiar nosso herói e ajudar a atravessar os imensos oceanos.

 Mascara Vermelha também da ao herói a Wind Waker, uma varinha capaz de controlar os ventos, o tempo e muitas outros feitos (uma sucessora espiritual da Ocarina of Time).

 O jogo como é comum na serie conta com diversos recursos que vamos adquirindo ao longo do jogo, cheio de puzzles para quebrarem nossa cabeça, masmorras gigantes e a exploração é sempre o primeiro plano, a direção de arte é belíssima, apesar dos gráficos infantis a história é narrada de uma forma profunda e cativante, os personagens são muito carismáticos e lhe emociona muito em diversos trechos.

Ganondorf e Link

 É uma tarefa difícil e nem um pouco barata conseguir jogar Wind Waker no GameCube mas para quem tem Nintendo Wii U pode joga-lo em HD, o jogo foi relançado em 2013, tendo uma belíssima melhoria gráfica e mantendo o nível de excelência presente em toda a serie.

 O jogo foi tão bem aceito que diversos outros jogos da serie se mantiveram no mesmo estilo (Phantom Hourglass, Spirit Tracks, The Minish Cap, dentre outros), o jogo foi produzido pelo Takashi Tezuka (já trabalhou em diversas franquias da Nintendo como Mario, Pikmin, Animal Crossing, etc) e Shigeru Miyamoto (criador do Mario Bros, The Legend of Zelda, Donkey Kong, F-Zero e muitos outros).

 Para as versões do GameCube o jogo recebeu as notas de 96 e 94 no Metacritic e Game Ranking respectivamente, já para o Nintendo Wii U o Wind Waker HD recebeu 90 e 91, o jogo foi o quarto game mais vendido na história do GameCube.