Patrulha do Destino: Rastejando Dos Escombros, um Quadrinho para Loucos! (Crítica)

 A Patrulha do Destino existe desde a década de 60 e nesse meio tempo em que já foi cancelada, reativada e teve inúmeras formações e você provavelmente jamais chegou a ouvir falar nesse quadrinho, pois bem, para nossa quase sorte a Panini está trazendo estes quadrinhos de volta as bancas, li o primeiro encadernado publicado e fiquei completamente apaixonado.


patrulha do destino
 Ao que se espera a Panini irá publicar todo o material da Patrulha do Destino escrita pelo Grant Morrison, pelo menos é o que se espera já como parece que a editora não vem botando muita fé no material que vem publicando, além de tiragens mínimas a Patrulha do Destino está sendo impressa em papel jornal que é bem vagabundinho.

 Na formação da Patrulha do Destino escrita pelo Grant Morrison temos Cliff Steele, que foi transformado em um homem máquina após um acidente automobilístico, Crazy Jane que sofre de múltiplas personalidades, cada uma tendo sua própria habilidade meta-humana, Rebis, um espirito que se fundiu a doutora Eleanor Poole e seu paciente Larry Traynor se tornando assim uma criatura hermafrodita e Dorotht Spinner, uma garotinha com aparência desfigurada que tem o poder de dar a vida a criaturas de sua imaginação.

 A Patrulha do Destino é comandada por Niles Caulder e Joshua Clay.

patrulha do destino
Cliff sendo cabeça dura
 Patrulha do Destino: Rastejando Dos Escombros traz arcos muito bacanas, o primeiro dos tesouras e o arco do Red Jack são fantásticos, espero inclusive que tenha mais do Red Jack nos próximos volumes porque eu adorei demais o vilão.

 Este clássico da Vertigo é para quem quer algo completamente diferente do casual, Grant Morrison um dos melhores roteiristas de quadrinhos da história em sua melhor forma, tendo uma liberdade criativa e sendo insano.

patrulha do destino
Jack cantador
 Em sua grande maioria o encadernado foi desenhado pelo Richard Case, artista incrível! Sua habilidade de criar um visual psicodélico e sequências de quadro são de tirar o chapéu, um artista que não conhecia até então mas irei prestar mais atenção daqui pra frente.

 O material é fantástico, o que pecou mesmo foi a falta de fé da Panini, a editora deveria ter acreditado mais no que tem em mãos, apesar que até entendo que é de grande risco apostar em uma equipe tão fora do normal quanto essa.