The Dark Side of the Moon: Um dos Álbuns mais influentes da Música

 O oitavo álbum do Pink Floyd, The Dark Side of the Moon, é um dos discos mais influentes de todos os tempos, ele é tão complexo que gosto de considera-lo como um filme dividido em 10 faixas de áudio, vamos tentar entender como este álbum mudou o cenário musical.



 The Dark Side of the Moon foi lançado em março de 1973 (caramba, já faz 44 anos!), a principal influencia para compor o álbum foi a saída de Syd Barrett da banda em 1968, devido a sua saúde mental deteriorada, possivelmente ocasionada pelo excesso de drogas.

 O álbum do Pink Floyd abortou diversos temas em suas faixas: cobiça, sanidade, envelhecimento, drogas e diversos outros problemas que perpetuam na humanidade, fazendo criticas severas a sociedade britânica o grupo conseguiu atingir sua mensagem no mundo inteiro.


 Todos os mínimos detalhes foram pensados para transmitir a intenção do grupo ao compor aquelas faixas, o prisma de luz é talvez a capa mais famosa da música depois do álbum Abbey Road dos Beatles.

 Provavelmente você já estudou sobre o prima de luz na sua aula de física quando o professor estava falando sobre Isaac Newton, a capa do disco não poderia estar melhor representada, afinal a intenção do grupo era desconstruir toda a sociedade, exatamente isso que o prima faz com a luz.

 Essa fantástica capa é do Designer Gráfico Storm Thorgerson que trabalhou em diversos outros álbuns do Pink Floyd como Atom Heart Mother, Wish You Were Here, Animals, The Division Bell e muitas outras.

 Storm Thorgerson também trabalhou com diversas outras bandas como Audioslave, Dream Theater, The Mars Volta, Led Zeppelin, entre outros, infelizmente o designer veio a falecer em abril de 2013 aos 69 anos, um designer que servirá eternamente de inspiração para mim e para muitos outros.

 The Dark Side of the Moon abusou de recursos para aumentar sua imersão, como na música Time em que temos sons de vários relógios ou na faixa Money com os sons de caixa registradora, o disco também marcou uma nova fase da banda, com letras mais diretas e arranjos melhores elaborados, o álbum foi minuciosamente pensado do começo ao fim, portanto, está proibido escutar este disco no aleatório, a ordem possui uma importância fundamental para o sentido exato do disco.

 Deitar, colocar os fones de ouvido, fechar os olhos e depois escutar The Dark Side of the Moon do começo ao fim foi uma das melhores coisas que eu já fiz na minha vida, recomendo que todo mundo faça esse ritual pelo menos uma vez na vida, da um novo sentido a "escutar música".

 Depois escute este álbum assistindo O Mágico de OZ, se sua cabeça não explodir a sua sanidade mental está bem segura, a minha já virou poeira cósmica...

 Minha faixa predileta: