Watchmen é o quadrinho mais importante da história?

 Terminei recentemente de ler Watchmen, sei que o quadrinho é obrigatório para todo fã da nona arte mas eu até vejo como benéfico ter lido ele anos depois de me aventurar no mundo das HQs, pude apreciar a obra com maior maturidade e observar cada detalhe dessa obra prima, vamos analisar.





 Não vou resenhar Watchmen porque o quadrinho é grotescamente famoso, estaria apenas repetindo o que outros já escreveram antes de mim, basicamente a DC Comics havia adquirido uma editora menor (Charlton Comics) e encomendou uma historia para reapresentar seus personagens, no entanto os roteiros criados pelo Alan Moore eram tão violentos e realistas que a DC decidiu não usar os personagens mas a história era boa demais para não ser contada.

 Capitão Átomo se tornou Dr. Manhattan, Questão se tornou Rorschach, Besouro Azul se tornou Coruja e assim por diante, isso possibilitou o escritor Alan Moore e o desenhista Dave Gibbsons a terem  uma liberdade criativa monstruosa, algo pouco comum dentro de uma editora gigante como a DC Comics.

 Comprei Watchmen a quase um ano atras mas já havia decido ler o quadrinho quando tivesse um bom tempo livre, não pelo tamanho do quadrinho mas porque queria me dedicar totalmente a obra quando fosse ler, mês passado quando estava de férias do trabalho eu comecei a ler o quadrinho então (apesar que com o começo das aulas na faculdade eu não tive tanto tempo livre assim).


 Alan Moore dispensa qualquer tipo de apresentação, já cultivava uma incrível admiração pelo escritor por suas obras como V de Vingança, seus roteiros em personagens como Superman e Batman também me marcaram, o escritor atualmente não é muito amigável quando o assunto é quadrinhos de super heróis e hoje em dia trabalha apenas em obras autorais, Alan Moore é o nome mais comum nas listagens de melhores roteiristas (quase sempre aparecendo em primeiro lugar).

 Dave Gibbons é um dos meus desenhistas prediletos, sua narrativa gráfica é magistral, eu adoro aqueles traços retros do artista e seus trabalhos sempre caem como uma luva nos roteiros, há diversos desenhistas que tem traços muito bonitos mas poucos conseguem narrar tão bem quanto Gibbons, adquiri uma incrível admiração por ele após ler "O que aconteceu ao Homem de Aço?", uma das melhores histórias do Superman.

 Foi bacana para mim já conhecer bem essa dupla inglesa, eu sabia que estava diante de uma verdadeira obra de arte, não pelas bilhões de criticas positivas que o quadrinho acumula e sim por saber quem é Moore e Gibbons.

Alan Moore (esq) e Dave Gibbons (dir)

 A edição definitiva da Panini faz jus ao quadrinho, sua qualidade é impecável e vale cada centavo (e foram MUITOS centavos), a edição traz muitos extras que só agregam valor ao quadrinho, a obra é bem complexa e quando mais você pesquisa mais se apaixona por Watchmen.

 O quadrinho não é perfeito, há textos demais o que acaba tornando a leitura um pouco cansativa, algo comum nas obras do Alan Moore, ele não costuma deixar muito espaço para o desenhista, eu também achei o final do filme melhor que do quadrinho e olha que eu nem gosto muito da obra do Zack Snyder.


 Depois de Watchmen os quadrinhos começaram a se tornar mais complexos, junto com outras obras como O Cavaleiro das Trevas do Frank Miller a DC provou que essa mídia não é apenas para crianças, vale citar também nessa lista Monstro do Pantano, este tipo de obra consagrou o nascimento da Vertigo, o selo adulto da DC e na minha opinião a melhor editora para quem busca boas histórias.

 O universo de Watchmen esta sendo integrado ao universo da DC na nova fase da editora (Renascimento que chega este mês nas bancas), vale a pena acompanhar e esperar que essa ousada proposta da editora faça jus a um quadrinho tão importante.

 Watchmen está entre os quadrinhos mais vendidos da história e de forma merecida, é uma bíblia da nona arte e todo fã de quadrinhos precisa ler, reler e ler de novo, vale cada centavo e segundo que você dedica a esse hobbie.

 Uma dica pessoal: leia Watchmen escutando Bob Dylan.